terça-feira, 26 de abril de 2016

sem alvor nem madrugada

Vou continuar a procurar as respostas
sou a flor de cerejeira
sou a espuma do mar
sou uma gota de agua
sou uma pena
sou uma brisa
papagaio sem destino
casulo por abrir
Tantos sonhos que reinam
tantas primaveras por chegar
este mundo é cheio de misterios
cheio de amor por descobrir
é a luz que me guia os passos
e de pes descanços aprendo a dançar
com o vento
com o fogo
com a agua
e a terra
sou parte deste lugar
sou uma mensagem na garrafa
perdida no mar
uma estrela que guia
regresso ao lar
sem feridas por sarar
sem alvor ou madrugada
sem medos do destino
destas cordas de marioneta
deste coração que voltou a ser completo
com um beijo do meu amor.

1 comentário: